Um dos principais atingidos pelos efeitos do coronavírus, o setor turístico gaúcho apresentou demandas, na tarde desta quinta-feira (16), a deputados estaduais. O encontro por meio de videoconferência foi organizado pelo Grupo G30 Serra, que deu origem ao Comitê de Retomada do Turismo do Rio Grande do Sul.

Coordenador do G30, Thomas Fontana relatou dificuldades de empresas do setor com o isolamento social e as restrições às atividades impostas pelo sistema de Distanciamento Controlado do governo do Estado. Ele apresentou a prévia de uma pesquisa que ouviu diferentes atores do setor turístico sobre o impacto negativo da Covid-19. O levantamento, que teve 663 respostas junto ao setor, mostra prejuízos, demissões, perda de faturamento, dificuldades de acesso a crédito bancário com a proibição de atividades turísticas, além de perspectivas nada otimistas para os próximos meses.

Fontana e o setor defendem ajustes nas regras do Distanciamento para que as empresas turísticas e de gastronomia possam operar com estrutura mínima de pessoal e capacidade reduzida de atendimento mesmo sob bandeira vermelha. A ideia é atuar com protocolos de segurança e prevenção à saúde dos turistas e clientes e evitar a desestruturação do setor, preservando empresas e empregos. Também cobram facilidade de acesso a crédito e, a médio prazo, melhorias na infraestrutura. Amanhã (17), um documento com as reivindicações será apresentado ao secretário estadual de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rodrigo Lorenzoni.

O presidente da Assembleia, Ernani Polo, parabenizou o grupo pelos dados e informações apresentados, que mostram o “espírito de responsabilidade do setor”. O deputado colocou o Parlamento à disposição para auxiliar, assim como está fazendo com outros segmentos da sociedade “diante do cenário incerto e de falta de previsibilidade” causado pela Covid-19. Polo sugeriu, ainda, a criação de uma campanha de valorização do turismo gaúcho em parceria com o governo do Estado, com a meta de ajudar na retomada pós-pandemia.