A concessão dos parques nacionais de Aparados da Serra e da Serra Geral deverá representar investimento de R$ 270 milhões em 30 anos. É o que prevê o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que autorizou no início da tarde desta quarta-feira (14), em Cambará do Sul, a publicação do edital de licitação para a concessão. O presidente da Assembleia Legislativa, Ernani Polo, acompanhou a solenidade no Mirante do Cotovelo ao lado do vice-governador do Rio Grande do Sul, Ranolfo Vieira Júnior; da vice- governadora de Santa Catarina, Daniela Reinehr; do senador Luis Carlos Heinze; do prefeito de Cambará do Sul, Schamberlaen Silvestre; entre outras autoridades.

O ministro Salles prevê que até dezembro seja conhecido o vencedor do processo
licitatório, que será responsável pela área por 30 anos. A expectativa dele é dar início ao processo de concessão – o primeiro de parques nacionais do governo Bolsonaro – e aos
investimentos na região já em janeiro.
Salles avaliou ainda que os investimentos — sendo R$ 14 milhões em infraestrutura —
serão concentrados nos quatro primeiros anos.
O modelo de concessão à iniciativa privada que será aplicado nos parques das serras gaúcha e catarinense
deve servir para os 20 que serão lançados neste ano em todo país.

Uma das cidades beneficiadas, Cambará do Sul, onde estão localizados os parques nacionais dos Aparados da Serra e da Serra Geral, poderá receber mais um milhão de visitantes por ano com à concessão à iniciativa privada, segundo o prefeito do município, Schamberlaen Silvestre. Salles acolheu pedido do prefeito e garantiu, no evento, que o acesso ao parque será pela cidade de Cambará.

Envolvimento

Assim como o senador Heinze, o deputado Ernani Polo foi um dos maiores apoiadores do projeto no Rio Grande do Sul. Há dois anos, o parlamentar entregou ao ministro e ao senador, em reunião em Cambará, moçāo de apoio da Assembleia Legislativa para a implementação das concessões, que visam ao desenvolvimento econômico regional através do turismo, mantendo os essenciais cuidados com a sustentabilidade e preservação ambiental. “É um marco, um divisor de águas porque teremos investimentos em infraestrutura para melhorar as condições para quem visita os parques. Tenho certeza que Cambará do Sul se tornará um local de grande visitação, tendo em vista que os turistas que vão à Serra poderão estender sua viagem, podendo conhecer um dos mais belos cânions do mundo”, avaliou Polo.