Na tarde desta segunda-feira (17), o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ernani Polo, esteve reunido, em Brasília, com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, tratando sobre a evolução do status sanitário do Rio Grande do Sul como zona livre de febre aftosa sem vacinação, recentemente anunciada pelo MAPA.

“Este é o resultado de um trabalho de muitos anos, que tivemos a oportunidade de colaborar para que se concretizasse. Ressalto a contribuição decisiva da Ministra Tereza Cristina, que teve sensibilidade ao conduzir esta questão, junto com os técnicos do Ministério e da Secretaria da Agricultura do RS”, lembrou Ernani Polo.

De acordo com a ministra, se o Rio Grande do Sul não tivesse sido reconhecido pelo MAPA como zona livre de febre aftosa sem vacinação, esta condição, a ser confirmada pela Organização Mundial de Saúde Animal em 2021, só aconteceria em 2022, o que prejudicaria muito a competitividade do produto gaúcho frente a outros estados.

“Está é uma grande conquista para o Estado, pois possibilita a abertura de novos mercados”, lembrou a ministra.

Ainda na pauta do encontro, foi abordada a possibilidade de criação de um programa federal, nos mesmos moldes do “Conservar para Produzir Melhor”, programa de conservação do solo e da água, idealizado pelo deputado durante sua gestão frente à Secretaria Estadual da Agricultura, visando aliar o cuidado com os recursos naturais e o aumento da produtividade.
“Um dos principais objetivos desta iniciativa seria o melhoramento da fertilidade e a correção do solo”, destacou o parlamentar.

Também foram abordados projetos para a expansão de áreas florestais no Rio Grande do Sul e entregues demandas do Sindicato dos Trabalhos Agricultores Familiares de Canguçu, da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), e da Associação dos Fumicultores de Canguçu, referentes aos prejuízos dos produtores de tabaco devido à estiagem e ao alto índice de contrabando de cigarro, o que enfraquece a cadeia produtiva.