O presidente da Assembleia Legislativa, Ernani Polo, acompanhou na manhã desta quinta-feira (10) o presidente da República, Jair Bolsonaro na inauguração da nova Ponte do Guaíba, em Porto Alegre. A travessia, cuja obra foi iniciada em outubro de 2014, será liberada ao trânsito de veículos de forma parcial, já que ainda faltam quatro das sete alças de acesso. O governo federal ainda precisa realocar cerca de 600 famílias das vilas Areia e Tio Zeca, às margens da avenida Voluntários da Pátria, para concluir a obra, o que não há previsão.

A construção compreende uma travessia de 2,9 quilômetros de extensão sobre o Guaíba e 7,3 quilômetros de acessos. Ao contrário da travessia antiga, a nova não tem vão móvel. O ponto mais alto da travessia fica a 40 metros de altura em relação ao nível do Guaíba. A nova ponte é três vezes mais alta do que a antiga para que navios passem pelo trecho sem obstáculos como ocorre atualmente. Com 28 metros de largura nos vãos principais, a pista conta com duas faixas de rolamento com acostamento e refúgio central. A ponte antiga, inaugurada em 1958, continuará em operação.

A obra é um dos projetos considerados prioritários para o Rio Grande do Sul que integra o Cresce RS, da Assembleia Legislativa. O programa monitora desde o ano passado 19 projetos estratégicos para o desenvolvimento do Estado. O investimento é estimado em quase R$ 1 bilhão, incluindo o reassentamento de 1.176 famílias, a maioria estava dentro de uma unidade de conservação ambiental, o Parque Estadual Delta do Jacuí. A expectativa é de que 50 mil veículos cruzem a nova ponte por dia, conforme o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes).

A solenidade também contou com a presença do ministros da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, da Cidadania, Onyx Lorenzoni, das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, General Augusto Heleno; do governador Eduardo Leite (PSDB); do vice-governador Ranolfo Vieira Junior (PTB); do prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB); do prefeito eleito da capital, Sebastião Melo (MDB); dos deputados estaduais Vilmar Lourenço (PSL), Ruy Irigaray (PSL), Tenente-Coronel Zucco (PSL); dos federais Osmar Terra (MDB), Alceu Moreira (MDB), Bibo Nunes (PSL), Daniel Trzeciak (PSDB), Giovani Cherini (PL), Lucas Redecker (PSDB), Marcelo Moraes (PTB), Nereu Crispim (PSL), Pedro Westphalen (PP), Ubiratan Sanderson (PSL), Ronaldo Santini (PTB), Danrlei de Deus Hinterholz (PSD) e Marcelo Brum (PSL); o senador Luis Carlos Heinze (PP).