O Rio Grande do Sul está perto de obter o status sanitário de zona livre de aftosa sem vacinação. Na tarde desta segunda-feira (27), o presidente da Assembleia Legislativa, Ernani Polo, que criou a Frente Parlamentar em Apoio à Evolução do Status Sanitário Animal do Rio Grande do Sul, organizou uma videoconferência em conjunto com a Comissão de Agricultura e a Frente Parlamentar da Agropecuária da Assembleia. Na reunião, o secretário estadual da Agricultura, Covatti Filho, fez uma prestação de contas sobre as ações que estão sendo tomadas após apontamentos do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento). O secretário informou que 16 das 18 medidas recomendadas já foram implementadas, sendo que as duas restantes estão em fase final de conclusão.

A auditoria do Mapa será realizada em 4 e 5 de agosto. A expectativa é positiva pelo avanço do status sanitário do RS dentro do Plano Estratégico de Erradicação da Febre Aftosa. Covatti Filho relatou o esforço de todos os envolvidos para que o Estado obtenha o status sanitário de zona livre de aftosa sem vacinação e prometeu transparência total sobre os resultados de cada item.

“O status sanitário de zona livre de aftosa sem vacinação é um passo superimportante, um degrau fundamental para o desenvolvimento do Estado. Depois, será necessário manter vigilância ativa para que se avance com segurança”, afirmou o presidente da Assembleia, que foi secretário estadual da Agricultura e trabalhou muito esse tema.

O presidente do Fundesa (Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal do RS), Rogério Kerber, ressaltou as vantagens que a retirada da trará para os produtores. “Canadá já começa a sinalizar negociação de carne bovina com o Brasil, e quem sabe o Rio Grande do Sul poderá se sentar à mesa e negociar com este importante mercado e outros mais. Será uma nova perspectiva para todo o Estado”, projetos.

A reunião contou, ainda, com a participação das entidades como a ABPA (Associação Brasileira da Proteína Animal), representada pelo presidente Francisco Turra; a Farsul (Federação da Agricultura do RS), pelo presidente Gedeão Pereira; a Famurs (Federação da Agricultura do RS); a Asgav (Associação Gaúcha de Avicultura); Fetag (Federação dos Trabalhadores na Agricultura no RS); Sindilat (Sindicato da Indústria de Laticínios do RS); Acsurs (Associação de Criadores de Suínos do RS); Sips (Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos do RS); Sicadergs (Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado do RS) e deputados.