Conduzida pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ernani Polo, a 9ª reunião do Fórum de Combate ao Colapso Social e Econômico contou com a participação, por meio de videoconferência, das bancadas federal e estadual do Rio Grande do Sul. Com dois senadores, dez deputados federais e 15 deputados estaduais, a atividade desta segunda-feira deu continuidade aos encontros que são realizados desde 26 de março em busca de caminhos para a retomada dos setores produtivos com segurança em meio à pandemia de coronavírus.

Polo abriu a reunião dizendo que durante os encontros anteriores surgiram demandas relacionadas à esfera federal, por isso a importância da presença de deputados federais e senadores no encontro. “A última medida de enfrentamento ao coronavírus em âmbito federal foi a sanção da lei aprovada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado a respeito do apoio ao Rio Grande do Sul, pois nossos setores estão muito afetados pela crise que desencadeou praticamente uma catástrofe”, destacou. Ao final de sua explanação, o presidente disse que a ideia é seguir interagindo e mantendo contato permanente entre os setores diante do momento de dificuldade, visando seguir a discussão: “Precisamos conversar, debater, mas nunca nos dividirmos num momento delicado como este”, encerrou.

O deputado federal Giovani Cherini, coordenador da bancada federal gaúcha, fez críticas a uma parte dos governadores e prefeitos. “Percebo que o decreto passou ser de uma pessoa só, sem que o poder político participe, com o grande apoio do obituário da mídia. Fico incomodado com quem diz que quem defende a economia é ogro. Sinceramente, não aguento mais ouvir essa história de cientista e ciência, eles mesmo dizem que você pode pegar o vírus tanto em casa como na rua”, declarou. O parlamentar também defendeu o fim do isolamento. “O que estamos esperando para voltar a trabalhar, não dá mais para esperar, com máscara seguindo todos os protocolos, tá na hora de botar o povo a trabalhar”, enfatizou Cherini.

O presidente da Fiergs (Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul), Gilberto Petry, reforçou a necessidade da retomada urgente das atividades: “Concordo com o coordenador da bancada federal gaúcha, deputado Cherini. Há excesso de informações de restrições que causam medo na população”, disse. O presidente da Fecomércio-RS (Federação do Comércio de Bens e de Serviços do RS), Luiz Carlos Bohn, destacou que o comércio precisa voltar a funcionar para desovar a produção da indústria. Segundo ele, é preciso alterar as regras do decreto do governador Eduardo Leite, a fim de permitir que, mesmo sob bandeira vermelha, o comércio possa abrir com protocolos de segurança, EPIs e máscaras para prevenir a saúde dos trabalhadores e comerciantes.

Em sua fala, o presidente do Transforma RS, Daniel Randon, disse que será preciso atenção a longo prazo para evitar a guerra fiscal entre os Estados e buscar oportunidades de PPPs (parcerias público-privadas) com apoio de parlamentares e senadores. Randon elogiou a participação das lideranças empresariais e políticas e pediu um olhar para os pontos positivos do Estado também: “O momento é difícil, mas o Rio Grande do Sul está fazendo um bom trabalho”, analisou. O senador Luis Carlos Heinze falou da importância de conciliar trabalho e saúde. “As pessoas querem retornar ao trabalho, muito mais grave que as mortes é o desemprego nessa pandemia. Nós estamos juntos para trabalhar, podem contar com nosso empenho. Cabe a nós senadores e deputados pressionarmos o governo federal, temos que fazer que chegue lá na ponta os recursos aprovados no Congresso Nacional.

O deputado Marcel van Hattem reforçou o discurso que externou na semana passada, durante a oitava edição do Fórum, o qual se referia à importância das reformas que o Brasil precisa: “Sei que temos atividades relacionadas ao enfrentamento ao coronavírus a curto prazo que precisam ser cumpridas, porém, as principais decisões já foram tomadas, visando auxiliar aqueles que não possuem tantas condições de enfrentar a crise. Agora, o que posso dizer é que se não tivermos reformas estruturais urgentes, o Brasil irá sair perdendo”, alertou. O parlamentar encerrou sua fala fazendo um apelo aos colegas deputados para acrescentar ao discurso da retomada das atividades econômicas, também o tema das reformas estruturais.

O presidente da Assembleia, ao fim do encontro, anunciou que irá iniciar um desmembramento do Fórum por setores, visando tratar especificamente de cada área: “É importante darmos atenção às especificidades de cada setor”, explicou.