Em sua sexta edição, realizada na tarde desta quinta-feira (24), o seminário virtual “Competitividade Pelo Rio Grande, Juntos Para Recomeçar”, promovido pela Assembleia Legislativa, reuniu lideranças políticas e acadêmicas da Região Central para discutir retomada do crescimento econômico no período pós-pandemia.

Ao abrir o evento, o presidente do Parlamento gaúcho, Ernani Polo, sustentou que o caminho passa pelo avanço em competitividade, que envolve a redução burocracia, readequação do tamanho do Estado, diminuição da carga tributária, estimulo à inovação e simplificação de processos. “Precisamos construir uma retomada segura para a população e, ao mesmo tempo, não perder oportunidades por conta da burocracia. Temos que olhar para a frente e garantir que a máquina pública incorpore a cultura da competitividade”, apontou.

O prefeito de Tupanciretã, Carlos Augusto Brum de Souza, primeiro palestrante da tarde, revelou que o município que governa conseguiu controlar a expansão do novo coronavírus e tem hoje 24 casos ativos. O próximo desafio, segundo ele, é assegurar a volta da atividade econômica aos níveis anteriores à pandemia. Otimista,  acredita que  a comunidade “irá atender o chamado como fez em outras situações”, e que o agronegócio e os produtores rurais conduzirão a retomada. “Saímos de uma seca para uma pandemia e não paramos. Vamos dar a volta por cima”, frisou. Souza defendeu melhorias no setor de infraestrutura, especialmente, nas estradas por onde escoa a produção de grãos. “Sem infraestrutura adequada não haverá retomada, e vamos perder oportunidades de novos negócios”, alertou.

Reabertura
A maior preocupação do prefeito de Agudo, Valério Vili Trebien, é com o ritmo da abertura econômica e com a estagnação das atividades produtivas. Para ele, está na hora de todos os segmentos voltarem a funcionar, observando os “procedimentos para proteção da saúde da população”. “Temos que parar de nos esconder atrás da pandemia e adotar atitudes mais ousadas. Se não fizermos isso, não teremos como pagar a folha  e nem os serviços de saúde e educação em 2021”, prevê. O prefeito disse que a pandemia está acabando com o pequeno comércio e com milhares de empregos. Ele defendeu investimentos em infraestrutura, tecnologia e educação para que a região retome o processo de desenvolvimento e avance em competitividade.

Parceria
O reitor da Unicruz, Fábio Dal-Soto, considera que os setores da saúde, educação e do agronegócio são fundamentais para a retomada econômica da Região Central no pós-pandemia. Em sua opinião, uma maior interação entre universidade, empresas e Poder Público poderá favorecer a construção de novas estratégias de desenvolvimento. “A interação entre esses atores resulta em possibilidade de emergência de nossas atividades produtivas ou mesmo de transformação da região, como já aconteceu em outros estados brasileiros e internacionalmente também”, frisou. O reitor acredita que é preciso reforçar vocações regionais com aplicação de conhecimento nestas áreas e, ao mesmo tempo, promover a diversificação da matriz produtiva abrindo espaço para a geração de novos negócios.

O seminário Competitividade Pelo Rio Grande, Juntos Para Recomeçar realiza mais duas edições: Região Noroeste e Missões, dia 1º de outubro, e  Região da Produção, Norte e Campos de Cima da Serra, dia 8.