Em sessão solene na manhã desta quarta-feira (3), o deputado Gabriel Souza foi eleito e empossado como presidente da Assembleia Legislativa no terceiro ano da 55ª Legislatura. Parlamentares, autoridades, amigos e familiares acompanharam a cerimônia realizada em formato híbrido, com a presença de convidados no Plenário 20 de Setembro, no Teatro Dante Barone e em ambiente virtual.

A sessão foi aberta pelo então presidente da Casa, deputado Ernani Polo, que, após a execução do Hino Nacional pelos músicos Carlos D’Lucka e Anderson de Oliveira, proferiu seu discurso de despedida. Polo refletiu sobre a necessidade de cooperação, solidariedade e união e o tema que marcou a sua gestão, a competitividade. “Se continuarmos tocando a bola para o lado, não faremos gol”, ilustrou. “Se só acentuarmos as divergências, não chegaremos às convergências”.

Ele salientou o pioneirismo dos setores agro e industrial, que, “obrigados a competir com o mundo, aprenderam a superar seus próprios limites”, vencendo travas culturais, acelerando a tecnologia muito antes da pandemia, internalizando conhecimento e aprimorando a sua gestão. “São modelos de rentabilidade, de sustentabilidade e de modernidade”, afirmou. Muitas outras áreas, segundo Polo, fizeram o mesmo. Já os governos, segundo ele, vieram depois, mas já perceberam a necessidade de modernização, desburocratização e medidas como concessões, privatizações e parcerias público-privadas.

Sobre o futuro presidente, disse que era “um político preparado, jovem, promissor, um quadro qualificadíssimo para presidir a Casa” e desejou-lhe sucesso e boa sorte.

Embora pelo Regimento Interno da Assembleia a Mesa Diretora seja eleita para um período de dois anos, acordo pluripartidário prevê o revezamento do comando da Casa entre as quatro maiores bancadas ao longo da Legislatura (ao qual a deputada Luciana se opõe), uma a cada ano, o que se dá por meio da renúncia da Mesa ao fim do primeiro ano do biênio.