Mo histórico casarão do Solar dos Câmara, no complexo da Assembleia Legislativa, o Fórum Social Mundial 2021 foi lançado oficialmente na manhã desta terça-feira (15). A edição de 20 anos do evento será realizada de 25 a 29 de janeiro, em Porto Alegre. O evento, que discutirá temas como população idosa, diversidade, pessoas com deficiência, saúde, educação e participação comunitária, será totalmente on-line devido à pandemia.

O presidente da Assembleia Legislativa, Ernani Polo, acompanhou o lançamento ao lado presidente do Conselho Nacional do Idoso e secretário executivo do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Antônio Costa; do presidente do FSM, Lélio Falcão, que é ex-presidente do Conselho do Idoso de Porto Alegre; e do secretário estadual de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Mauro Hauschild.

Com o tema central “Um Outro Mundo é Possível Pós-Covid-19!”, também serão realizados de forma paralela o 6º Fórum Social Mundial da População Idosa, o 5º Fórum Social Mundial das Pessoas com Deficiência e o 3º Fórum Social Mundial das Diversidades. A Assembleia Legislativa é uma das parceiras do FSM.

Em reunião prévia ao lançamento, Costa destacou a necessidade de ampliação das políticas para a pessoa idosa no Rio Grande do Sul, onde a população com mais de 60 anos (60+) já é maior do que a da faixa entre zero e 14 anos. O secretário executivo pediu apoio para o Pacto Nacional da Pessoa Idosa, que está sendo totalmente financiado pelo governo federal e já destinou R$ 11 milhões para 129 instituições gaúchas de longa permanência para idosos. Um dos objetivos do pacto é incentivar a criação de conselhos municipais e do fundo do idoso. Dos 497 municípios, somente 190 têm conselhos do idoso atualmente.

Outros temas tratados foram o apoio à candidatura de Porto Alegre como sede da Terceira Assembleia Mundial sobre o Envelhecimento. O evento da ONU (Organização das Nações Unidas), que ocorre a cada 20 anos, será realizado novamente em 2022. Também foi abordada pelo deputado Ernani Polo a campanha Valores que Ficam, da Assembleia, que incentiva a destinação de recursos do Imposto de Renda para os fundos da criança e do adolescente e da pessoa idosa. “A população idosa é cada vez mais representativa e requer atenção e políticas públicas específicas. Defendemos ações em conjunto entre todas as esferas de governo e a sociedade civil, como desenvolvemos com a campanha Valores que Ficam”, afirmou o presidente da Assembleia.