A competitividade em tempos de pandemia foi o principal assunto da 10ª reunião virtual do Fórum de Combate ao Colapso Social e Econômico, realizada na tarde desta segunda-feira (25). Bandeira de gestão de Ernani Polo na Presidência da Assembleia Legislativa, o tema foi abordado a partir de um estudo apresentado pelo CLP (Centro de Liderança Pública) que mostra o Rio Grande do Sul em sétimo lugar no ranking geral entre os Estados, com destaque para as áreas de inovação (2º lugar), sustentabilidade social (3º) e segurança pública (5º). A organização antecipou que divulgará nesta terça-feira (26) que o RS está em 20º lugar no ranking Covid-19, que leva em conta número de casos, ações efetivas de enfrentamento ao coronavírus e outros indicadores. Quanto mais distante da primeira posição, melhor.

O presidente da Assembleia comentou sobre a linha central de sua gestão e a necessidade de ajustes devido ao coronavírus. “Desde o início, nosso enfoque foi na competitividade como forma de impulsionar o desenvolvimento do Estado. Entretanto, diante da crise que se instituiu no mundo todo, tivemos que remanejar um pouco nosso planejamento e agora retomamos com força este tema”, informou. Para Polo, a competitividade é um fator determinante para os setores produtivos enfrentarem o atual momento de dificuldade. “Talvez um dos legados mais importantes deixados pela pandemia seja a união, a solidariedade, predicados essenciais para o enfrentamento de qualquer crise”, destacou. O parlamentar antecipou a ideia de realizar um seminário sobre o tema em julho.

Na apresentação feita pelo gerente de Competitividade do CLP, José Henrique Nascimento, divulgada originalmente no fim do ano passado, São Paulo ficou pelo quinto ano consecutivo em 1º lugar, seguido de Santa Catarina e do Distrito Federal. Também estão à frente do RS, Paraná, Mato Grosso do Sul e Espírito Santo. Lançado em 2019, o ranking mostra desafios para o Rio Grande do Sul: em educação (11º lugar), sustentabilidade ambiental (12º), capital humano (15º), potencial de mercado (15º), infraestrutura (18º) e solidez fiscal (27º).

O gerente de Competitividade do CLP destacou a importância de discutir competitividade num momento como o atual, de grandes impactos devido ao coronavírus. Nascimento elogiou a Assembleia Legislativa pelo pioneirismo entre os Legislativos do país na escolha do tema da competitividade como marca de gestão e pela intenção de contribuir com o crescimento do Rio Grande do Sul.

O que é o ranking
O ranking do CLP (Centro de Liderança Pública) analisa a capacidade competitiva dos 26 Estados brasileiros e do Distrito Federal. São 69 indicadores divididos em dez pilares (Sustentabilidade Ambiental, Capital Humano, Educação, Eficiência da Máquina Pública, Infraestrutura, Inovação, Potencial de Mercado, Solidez Fiscal, Segurança Pública e Sustentabilidade Social) que servem para balizar os gestores públicos de cada Estado para alcançarem a excelência na gestão.

O estudo é usado por 22 unidades da federação como forma de planejamento e atuação dentro da gestão estadual. É usado também por cidadãos e por investidores. Em setembro, deve ser divulgada a nova versão do levantamento.