A bancada gaúcha estadual e federal e entidades ligadas ao agro vão entregar na próxima terça-feira uma pauta de reivindicações à ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e ao ministro da Economia, Paulo Guedes, devido à estiagem que afeta o Rio Grande do Sul. A pauta foi tema de reunião na Expodireto Cotrijal no fim da manhã desta sexta-feira.

Ficou acertado que técnicos do setor estarão reunidos a partir das 9h de segunda-feira, na Farsul, para detalhar o levantamento das perdas por segmentos e regiões e finalizar uma proposta única. Os dados embasarão o documento com os pedidos do Rio Grande do Sul. No mesmo momento, o presidente da Assembleia Legislativa, Ernani Polo, reunirá deputados estaduais, federais e senadores, na Sala da Presidência, para tratar de temas de interesse do Estado, como a estiagem.

Na reunião realizada na Expodireto, o senador Luis Carlos Heinze (PP) relatou que a soja, o milho e leite são os mais afetados pela estiagem, mas também há problemas com feijão, tabaco e fruticultura.

Participaram da reunião, também, os deputados federais Alceu Moreira (MDB), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária no Congresso Nacional, Jerônimo Goergen (PP), Marcelo Moraes (PTB) e Giovani Cherini (PL), coordenador da bancada gaúcha em Brasília; os deputados estaduais Elton Weber (PSB), que representou a Presidência da Assembleia, e Edson Brum (MDB); o secretário estadual da Agricultura, Covatti Filho, e os presidentes da Expodireto, Nei Mânica, da Fetag, Carlos Joel da Silva, da Farsul, Gedeão Pereira, Paulo Pires, da Fecoagro, e Geraldo Sandri, da Emater entre outros.

Mânica falou da importância do levantamento de dados antes da apresentação da lista de pedidos ao governo federal e destacou a unidade em torno do assunto.

Polo, que estava em Caçapava do Sul com o governador Eduardo Leite no momento da reunião, na Abertura Oficial da Colheita da Oliva, participou das discussões prévias sobre o tema. No dia anterior, havia se reunido com outros parlamentares, entidades e representantes de bancos que atuam para fábricas de máquinas agrícolas sobre as dificuldades do setor, afetado pela quebra de produção no campo. O presidente da Assembleia pediu atenção ao tema já que o quadro dos produtores piora dia a dia sem chuva no Rio Grande do Sul.